Quatro truques para cozinhar o choco perfeito

Caros 5.75 leitores, quem não gosta de um bom choco frito, ou da tradicional feijoada de choco, repleta de enchidos e de tudo a que temos direito? Pessoalmente, adoro. No entanto, devo confessar que, cozinhar este molusco, não é fácil. Falhei inúmeras vezes, até descobrir a técnica certa para estar no ponto. Ou ficava demasiado mole, quase desfeito, ou duro que nem sola de sapato. Uma tragédia. No entanto, e porque tenho um espírito persistente, e tendo em conta que vivo numa vila piscatória, pelo que existem inúmeros restaurantes que servem esta deliciosa iguaria, pus os pés à estrada, e consegui descobrir algumas dicas preciosas para cozinhar choco no ponto:

1Não é novidade para ninguém, mas, apesar de não ser barato, convém que seja de boa qualidade, comprado em fresco. O congelado do supermercado é péssimo. Mirra, desfaz-se em água, fica com textura de borracha, e não rende nada.

2. Antes de ser cozinhado, e por mais fresco que seja, convém ser congelado, no mínimo, durante vinte e quatro horas. Desta forma, as fibras “partem-se” e fica muito mais tenro. Se não acreditam, na próxima vez que vierem a Sesimbra, ou forem a Setúbal, ao choco frito, perguntem, e tirem as vossas próprias conclusões

3. Marinar, de véspera, em leite, para ficar mais tenro. Ah, pois é. A maior parte dos restaurantes usa este truque, que deixa o choco tenrinho como lombo de vaca. Depois, é só passa-lo por água e escorrê-lo bem, para ficar sequinho. 

4. Temperar  de véspera. Tão importante como a frescura, é o tempero. Após arranjar o choco, adiciono leite, sumo de limão, alho em pó, pimenta preta, um pouco de flor de sal, e duas folhas de louro. Fica uma verdadeira delícia. 

Nota: No caso dos choquinhos,  por serem demasiado pequenos, não é necessário congelar ou deixar a marinar. Podem cozinhar na hora, que vão continuar tenros. Bom apetite. 

Crédito da imagem: Speechfoodie.

One Comment

  1. Laura Raposo

    Gostaria de saber como vou fazer o choco frito sem ficar rijo!

Responder a Laura Raposo Cancel

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

*