Cinco truques para cozer marisco como na Marisqueira

Caros 5.75 leitores: Chegou o verão, o mundial, e a hora do petisco, pelo que não há nada melhor do que reunir os amigos a uma mesa, com uma grade de minis bem fresquinhas, e uma travessa de marisco bem cozido. Tendo em conta que, nesta altura, costumam haver filas imensas para jantar fora, tenho optado por combinar jantaradas com os amigos, em que fazemos um orçamento para os comes e bebes e, depois, dividimos os gastos. Uma das questões que se coloca, sempre, é escolher a vitima para cozer o marisco. Escusado será dizer que, não raras vezes, o “feliz” contemplado é empalado em praça pública quando a coisa corre mal. Pessoalmente, tal como já vos tinha contado neste post, sempre tive alguma dificuldade em realizar esta tarefa. No entanto, após pesquisar um pouco, e falar com amigos que trabalham em marisqueiras, já que, aqui em Sesimbra, existe a tradição gastronómica dos “frutos do mar”, partilho convosco alguns truques que tenho aprendido para que o marisco fique cozido como na marisqueira:

1.Utilizar água do Mar: Ou, em alternativa, sessenta gramas de sal por cada litro de água. Desta forma, o marisco fica rijo e suculento, mantendo o sabor e os níveis de frescura.

2. Colocar no tacho em água fria: Caso contrário, fica mole e sem graça. Depois, é só controlar o tempo de cozedura, que só começa a contar após a água levantar fervura. 

3. Respeitar o tempo de cozedura recomendado: Este truque é essencial para que o marisco fique no ponto, com a consistência adequada. No entanto, convém afinar os minutos em função do tamanho e da quantidade. Sapateira  e Santola – 20 minutos Lagosta e Lavagante – 22 minutos; Camarão – Três minutos; Navalheira – Sete minutos; Percebes – 30 segundos; Lagostim – 15 minutos; Búzio . 15 minutos. 

4. Choque térmico: Após a cozedura, o marisco deve ser mergulhado numa taça com gelo, para que mantenha a consistência, no caso do camarão, e arrefeça mais rapidamente, no caso da lagosta e da sapateira. Depois, é só colocar, no frigorífico, durante duas horas, e servir bem fresco. 

5. O truque do vinagre: No caso da sapateira, esta deve, primeiro, ser morta com vinagre, para não largar as patas durante a cozedura. O processo é simples: introduzir, na boca do bicho, a maior quantidade de vinagre possível, aguardar uns minutos, e, só depois, mergulha-lho na panela. 

Apesar de serem truques muito simples, são extremamente úteis e fazem toda a diferença, sobretudo para quem não está habituado a realizar esta tarefa. Se, tal como eu, adoram marisco, e, por uma questão de poupança e de conforto, preferem comer em casa, experimentem porque vão ficar agradavelmente surpreendidos com o resultado. Palavra de #lobo. 

Crédito da Imagem: Food 52

Deixa um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

*